quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

De tudo ficarão três coisas

A certeza de que estamos sempre começando,
a certeza de que é preciso continuar,
a certeza de que seremos interrompidos antes de terminar.

Portanto devemos:
fazer da interrupção um caminho novo,
da queda, um novo passo de dança,
do medo, uma escada,
do sonho, uma ponte
da procura, um encontro.
E assim terá valido a pena existir!

P.S.: Há no Google diversas versões deste poema. A autoria é, por alguns, atribuída a Fernando Sabino. Outros dizem que o poema é de Fernando Pessoa. Para pôr mais lenha na fogueira, eu diria que é de Fernando Henrique Cardoso.

5 comentários:

Jeusa disse...

Na verdade, este trecho não é um poema, é um fragmento do livro "O Encontro Marcado", de Fernando Sabino. Se pudesse redefini-lo, diria que se trata de puríssima prosa poética!

Ur!3L disse...

hahahahah... adorei teu comment. Obrigado pela visita.
Esse poema é mesmo muito bonito e especial. Parabéns!!!

Jeusa disse...

eu é que agradeço! Gosto muito do teu blog e é um prazer ler o que você escreve... achei teu blog por acaso, mas foi uma grata surpresa.
Leia o Sabino, acredito que vc vai gostar!

Tônio disse...

voltei a sala da escola municipal de primeiro gral quando li pela primeira vez este texto.

Fábio Inrik disse...

acho legal que as pessoas atribuem isso a fernando pessoa...

pessoa era todo sorumbatico, dramatico pra caramba....

num tem jeito que escreveria uma coisa tao colorida!
hahah

tudo o que o povo nao sabe o autor eles colocam "luis fernando verissimo"...