quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Jane Birkin


Dia desses acordei com vontade de ouvir música francesa. Garimpando em alguns guias, esbarrei em nomes já conhecidos como Piaf e Carla Bruni. Acabei também descobrindo alguns outros que, até então, apenas me soavam familiares: Françoise Hardy e Jane Birkin.
Françoise é ótima, não resta dúvida, mas fiquei especialmente encantado com Jane. A voz dela é um suspiro. Suave. Quente. Basta ouvi-la, o coração aquece.


Pra quem acha que não a conhece, quando ouvir "Je t'aime... moi non plus" vai logo lembrar da trilha do Big Brother Brasil em que a moça, em dueto com Serge Gainsbourg, cantava deliciosos sussurros. Foi essa mesma música que causou o maior escândalo em seu lançamento nos anos 70. Só escutando para entender o porque. Serge havia composto a música para gravá-la com seu affaire, nada mais, nada menos que Brigitte Bardot, mas ao pressentir o que estava por vir, Brigitte abandonou o barco. E foi então a predestinada Jane que protagonizou a polêmica e, para arrematar, acabou casando-se com Serge. Como tantos outros casais do universo musical (Cher e Sonny, Lennon e Yoko), os dois eram memoráveis. Arrancavam olhares curiosos e admirados por onde passavam.


De lindo em Jane, não havia somente a voz. A menina exalava beleza e sensualidade. Bem ao estilo Lolita, era dona de um ar inocente, de quem parecia nem se importar com toda a badalação que envolvia seu nome. E é extenso o seu curriculo. Consultando a Wikipédia, a filmografia de Jane (sim, ela era também atriz) soma em torno de 70 filmes. Quanto aos discos, mais ou menos 16 albuns lançados... sejam eles solos ou em parceria com outros cantores. Entre os principais, lógico que esta o famoso dueto com Serge.


Como nada é eterno, o casamento quase perfeito veio ao fim. Após a separação, Jane lutava para sair da sombra daquele que a impulsionou para o sucesso. Tentava seguir a vida, divulgar seu trabalho. Serge faleceu em 1991. E ela, continua cantando e atuando, não com a mesma energia de antes, e nem com os mesmos atributos físicos, já que o tempo tem fome de juventude alheia. Mas, seja como for, sentirei no corpo um arrepio toda vez que ouvir o canto de Jane Birkin. Je t'aime, je t'aime... ou oui je' t'aime... oh mon amour.

3 comentários:

Robson Rogers disse...

Olá, passando para retribuir a visita que fizeste ao meu blog.
Fiquei curioso, como achou ele?

Abraço.

adri antunes disse...

hummm, vou ouvir sua dica de música francesa, tb gosto muito e como hj chove por aqui a pedida é boa.
obrigada pela visita.
bju

Kivia Nascentes disse...

Acho muito bom o Serge. Já ouviu "charlotte gainsbourg"? É a filha deles que canta tbm, e atuou no filme "o anticristo", é bom também.